domingo ,19 maio 2019
Ultimas Noticias
Home / Saúde / Casos de dengue crescem 264% em 2019, diz Ministério da Saúde

Casos de dengue crescem 264% em 2019, diz Ministério da Saúde

Número de casos registrados chegou a 229 mil nos primeiros meses do ano. Número de mortes também aumentou.

Os casos de dengue cresceram 264% em 2019, informou o Ministério da Saúde nesta segunda-feira (25). O balanço sobre os casos da doença no Brasil foi feito entre dezembro de 2018 e março de 2019.

(ATUALIZAÇÃO: No início da tarde desta segunda, o Ministério da Saúde havia informado que o número de casos de dengue cresceu 224%. No início da noite, a pasta enviou uma correção, e informou que o crescimento foi de 264%. A reportagem foi atualizada às 19h38.)

Foram registrados 229.064 casos nas primeiras 11 semanas de 2019 (até 16 de março). No mesmo período de 2018 foram registrados 62,9 mil caso de dengue.

O Distrito Federal e os estados do Acre, Tocantins, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Goiás e Mato Grosso do Sul foram os que registraram aumento do número de casos da doença. Todos registraram taxa de incidência maior que 100 casos por 100 mil habitantes, com destaque para o Tocantins, com incidência de 602,9 casos/100 mil habitantes.

Também houve um aumento de 67% no número de mortes pela doença, passando de 37 para 62 mortes em comparação com 2018. O estado de São Paulo, com 31 óbitos, é o que registrou o maior número de mortes pela doença no país.

Zika e chikungunya

Também houve um aumento no número de casos de zika registrados no período. Foram 2.062 casos da doença. Em 2018, no mesmo período, foram registrados 1.908 casos prováveis. Em 2019, não foram registradas mortes por zika.

Já a chikungunya registrou uma queda de 44% no número de casos. Em 2019, foram registrados 12.942 casos no país, com uma incidência de 6,2 casos/100 mil hab. Em 2018, foram 23.484 casos. Também não foram registradas mortes pela doença em 2019.

Você pode Gostar de:

ANS suspende a venda de 46 planos de saúde; veja lista

Planos de 13 operadoras, que atendem atualmente 570 mil beneficiários, só poderão voltar a ser …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *