sexta-feira ,25 Maio 2018
Home / Noticias / Exoneração de Carolina Pimentel é publicada no Diário Oficial de MG

Exoneração de Carolina Pimentel é publicada no Diário Oficial de MG

Ela foi nomeada secretária de Trabalho e Desenvolvimento Social.
Secretária-adjunta Rosilene Cristina Rocha assume a secretaria.

O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, e a primeira-dama Carolina Oliveira Pimentel (Foto:  Pedro Ângelo/G1)
O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, e a primeira-dama Carolina Oliveira Pimentel.
(Foto: Pedro Ângelo/G1)

A exoneração de Carolina de Oliveira Pereira Pimentel do cargo de secretária de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social foi publicada no Diário Oficial de Minas Gerais desta terça-feira (17). A secretária-adjunta, Rosilene Cristina Rocha, foi designada para responder pelo expediente da Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social.

Nesta segunda-feira (16), a Justiça manteve a suspenção da nomeação da primeira-dama de Minas Gerais, Carolinaa Pimentel, para o cargo de secretária de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social. A nova decisão, tomada após a Advocacia-Geral do Estado (AGE) apresentar recurso, é da desembargadora Hilda Teixeira da Costa, da 2ª Câmara Civel.

Em nota, o Executivo estadual disse que, apesar de caber recurso da decisão, a primeira-dama optou por retomar sua dedicação exclusiva ao Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas). “A decisão foi tomada para impedir que falsas polêmicas geradas pela oposição interfiram na continuidade e no avanço dos importantes projetos já em curso na Secretariade de Trabalho e Desenvolvimento Social (Sedese)”.

A primeira-dama e o marido, o governador Fernando Pimentel (PT), são alvos da Operação Acrônimo, que apura um suposto esquema de lavagem de dinheiro e irregularidades em campanhas eleitorais. A Polícia Federal (PF) investiga se a jornalista manteve uma empresa de fachada no Distrito Federal, usada pela organização do empresário Benedito de Oliveira.

Carolina foi nomeada secretária no dia 28 de abril pelo marido e substituiu André Quintão (PT). No dia, o governo divulgou nota dizendo que Carolina iria permanecer na presidência do Servas e não seria remunerada pela nova função. Ainda segundo o governo, a mudança na secretaria já estava planejada e ocorreu como parte da segunda fase de reorganização administrativa do estado.

Em primeira instância, o suspensão da nomeação da primeira-dama foi decida pelo juiz Michel Curi e Silva, da 1ª Vara da Fazenda Pública Estadual, em uma ação protocolada pelos deputados Felipe Attiê (PTB), Bonifácio Mourão (PSDB), Luiz Humberto Carneiro (PSDB) e Tito Torres (PSDB). Os parlamentares fazem oposição a Pimentel e alegam que governador nomeou a mulher para protegê-la nas investigações da Operação Acrônimo.

O juiz disse que sua decisão foi baseada no “fato de tratar-se da mais próxima e íntima parente do Senhor Governador (sua esposa), somado aos fatos de que ela se encontra na situação de “alvo” em conhecida investigação da Polícia Federal e de que as diversas ações populares asseveraram que o intuito da nomeação foi o de tentar beneficiar a própria esposa, valendo-se de um mandato popular”.

Operação Acrônimo
O Superior Tribunal de Justiça (STJ) quebrou o sigilo do processo da Operação Acrônimo que envolve o governador de Minas Gerais. Ele foi denunciado no dia 6 de maio pela Procuradoria-Geral da República (PGR) pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, em razão de fatos apurados na Acrônimo.

A operação teve início em outubro de 2014, quando a corporação apreendeu R$ 116 mil com três pessoas em uma aeronave particular no aeroporto internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília. Na ocasião, a Polícia Federal abriu inquérito para investigar suposta lavagem de dinheiro.

Você pode Gostar de:

Nota Legal do DF passar a gerar créditos na compra de medicamentos

Mudança começa a valer em 2018 e prevê devolução de 7,5% do ICMS. Até então, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *