domingo ,22 Abril 2018
Home / Saúde / Falta de testosterona em mulheres leva a crises de asma, diz estudo

Falta de testosterona em mulheres leva a crises de asma, diz estudo

O hormônio masculino impede a ocorrência de inflamações pulmonares, segundo pesquisa norte-americana. O resultado pode explicar o fato de, após a puberdade, as mulheres serem mais vulneráveis à doença respiratória do que os homens

Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press
A partir da adolescência, as mulheres sofrem mais com o risco de ter asma do que os homens. Um estudo desenvolvido no Centro Médico da Universidade de Vanderbilt, nos Estados, sugere que os hormônios sexuais podem ser os responsáveis por essa diferenciação. A pesquisa, publicada recentemente na revista Cell Reports, mostra que a testosterona, o principal hormônio sexual masculino, impede a expansão de um grupo de células que causam inflamação e produção de muco nos pulmões, sintomas marcantes da asma.

Como outros estudos mostram que, durante a infância, a doença respiratória é mais frequente em meninos do que em meninas, os pesquisadores decidiram relacionar a inversão da vulnerabilidade com a chegada da adolescência. “Essa mudança parece ocorrer por volta da puberdade, sugerindo que hormônios sexuais podem exercer papel importante, modulando a inflamação associada com a asma”, afirma Dawn Newcomb, líder da nova pesquisa.

Leia as últimas notícias de Saúde
O trabalho, que foi feito com células humanas e de ratos simultaneamente, mostrou que a circulação de células linfoides inatas (ILC2), que têm papel importante na imunidade e na regulação da inflamação pulmonar, é maior em mulheres com asma do que em homens asmáticos. As ILC2 produzem citocinas, proteínas que causam inflamação e produção de muco nos pulmões. A desregulação dessas células pode levar a alergia e doenças autoimunes.
Os pesquisadores descobriram também que a testosterona evita que as ILC2 se espalhem pelos pulmões, reduzindo, assim, a produção de citocina e diminuindo as chances de surgimento da asma. Quando os hormônios ovarianos, como o estrogênio e a progesterona, foram acrescentados às células pulmonares ILC2, eles não provocaram mudanças significativas. Os resultados foram semelhantes nos animais e nos humanos.
Mesmo que os hormônios tenham papel importante na regulação do sistema imunológico, especialistas ressaltaram   que esse não é o único mecanismo pelo qual as mulheres têm mais incidência de asma. “O fato de a testosterona aparentemente exercer um efeito protetor para a expressão de asma nos homens não quer dizer que tenha a mesma ação em mulheres, pois há diferenças no comportamento fisiológico entre ambos”, diz Ricardo Martins, professor da Universidade de Brasília (UnB) e pneumologista do Hospital Universitário de Brasília (HUB).
Dawn admite que o aumento de testosterona em homens não é a única explicação para a diminuição da prevalência de asma em homens comparado a mulheres. “Muitos outros fatores são importantes a considerar”, diz a pesquisadora, sem detalhá-los. Rafael Stelmach, professor e pneumologista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), aponta outro mecanismo. “A resposta hormonal não justifica isso separadamente. Outro fator que pode colaborar, por exemplo, é a ansiedade, que as mulheres apresentam mais que os homens.”
De acordo com o médico, há ainda estudos que mostram que o ciclo menstrual pode estar vinculado ao desencadeamento das crises. “Existe uma piora dos sintomas de asma no período pré-menstrual, mas isso acontece com poucas mulheres. No período menstrual, ocorre a mudança de ciclo da mulher. Por isso, uma mudança hormonal. Essa transformação hormonal também pode explicar o que essa autora quer comprovar”, sugere.

Vigilância

Apesar de não sofrer com os efeitos da asma pré-menstrual, Adriana Lemos, 37 anos, vigia a asma o tempo inteiro. A auxiliar de serviços gerais descobriu a doença quando se mudou para Brasília, em 2001. Não sabe por que o problema apareceu aos 21 anos de idade, mas conta que, desde pequena, sofre com doenças respiratórias, como pneumonia. Apesar de algumas restrições, como não comer farinha e pimenta e não usar perfumes, Adriana leva uma vida normal. “A época mais difícil é na seca, porque é um período de muita poeira. Nessa época, preciso lavar o quintal todos os dias”, conta.
A filha mais nova de Adriana, Jéssica, 6 anos, também tem a doença, mas, ao contrário da mãe, que precisa tomar o remédio regularmente e ter o acompanhamento do pneumologista, a menina só precisa se cuidar quando “a asma está atacada”. “A dela é mais puxada para a alergia à poeira, enquanto a minha me impossibilita até mesmo de correr. É difícil porque o medicamento que uso é muito caro e nem consigo pegar mais na rede”, lamenta.

Novos testes

Um novo desafio a ser trabalhado e que não foi respondido pelo estudo norte-americano é a vulnerabilidade da asma em mulheres na menopausa. O estudo sugere que esse quadro vai começando a cair quando os ciclos menstruais se encerram. Mas Stelmach questiona esse resultado. “É contraditório que mulheres mais velhas, quando entram na menopausa, melhorem quanto às taxas de asma, uma vez que a testosterona diminui nessa fase da vida. A hipótese não está clara, estão enfatizando um caminho que pode dar certo ou não”, explica o professor da USP
A equipe comandada por Dawn Newcomb ressaltou que novos estudos precisam ser feitos para entender a fundo a relação entre os hormônios sexuais e a asma, mas que os resultados atuais abrem caminhos para essas investigações. Segundo a autora, entender como essas substâncias regulam a inflamação associada com a doença respiratória é importante para o desenvolvimento de novas abordagens e a identificação de quais pacientes responderam melhor à determinada terapêutica.
Fonte: correiobraziliense.com.br

Você pode Gostar de:

Após teste em humanos, vacina contra a malária se mostra segura

Técnica de imunização utiliza os parasitas que causam a doença, mas com a ação atenuada …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *