quinta-feira ,18 Janeiro 2018
Home / Cidades - DF / Ônibus e metrô sobem 25%; em dois anos, tarifas aumentaram 66% Reajuste foi anunciado nesta sexta. Tarifas de ôn

Ônibus e metrô sobem 25%; em dois anos, tarifas aumentaram 66% Reajuste foi anunciado nesta sexta. Tarifas de ôn

Reajuste foi anunciado nesta sexta. Tarifas de ônibus sobem de R$ 2,25 para R$ 2,50 as linhas circulares internas; de R$ 3 para R$ 3,50 as de ligação curta; e de R$ 4 para R$ 5 as viagens de longa distância e integração e as de metrô

Renato Alves , Luiz Calcagno

O brasiliense pagará mais caro nas passagens de ônibus e metrô, a partir de 2 de janeiro, o primeiro dia útil de 2017. O Governo do Distrito Federal anunciou o reajuste na manhã desta sexta-feira (30/12). As tarifas de ônibus sobem de R$ 2,25 para R$ 2,50 as linhas circulares internas; de R$ 3 para R$ 3,50 as de ligação curta; e de R$ 4 para R$ 5, as viagens de longa distância e integração e as de metrô. Nesse último caso, o reajuste é de 25%.

O aumento mais recente havia sido dado também no governo de Rodrigo Rollemberg (PSB), em setembro de 2015, após 10 anos de congelamento. Portanto, este é o segundo reajuste da atual gestão em pouco mais de um ano. Comparado ao preço de janeiro de 2015, quando Rollemberg assumiu o governo, o valor da tarifa mais cara, as de viagens de longa distância, subiu 66%, de R$ 3 para R$ 5.

Os aumentos nas passagens nesse período, já incluídos os anunciados nesta sexta-feira (30), são inferiores a todas essas porcentagens, alegou o secretário de Mobilidade, Fábio Damaceno. “O reajuste vem para garantir o nível de gratuidade no sistema, não interferir na parte social, e ajudar no reequilíbrio das contas do governo, pois o subsídio é muito além do que temos disponibilidade de pagar”, defendeu, em entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira (30).

Em setembro de 2015, o GDF fez o primeiro reajuste nas tarifas do transporte público em 10 anos. A medida reduziu em 23% o complemento tarifário (diferença entre o preço real da passagem e o repassado ao usuário), quantia bancada pelos cofres públicos. Ainda assim, o Estado gastou cerca de R$ 600 milhões em 2016 com o subsídio ao transporte público.

Em 2006, o salário-mínimo era de R$ 350 contra R$ 937 (a partir de 1º de janeiro) — variação de 168%. Os vencimentos de motoristas e cobradores subiram 165%: de R$ 880 para R$ 2.333,45 e de R$ 460,40 para R$ 1.219,84, respectivamente. A inflação aumentou 90,91%, de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), e o litro do óleo diesel foi reajustado em 77% — passou de R$ 1,70 para R$ 3.

“É necessário reajustar para não estagnar o sistema, buscar um transporte melhor e trazer tecnologia”, complementa o secretário de Mobilidade. A estimativa é reduzir, em 2017, cerca de R$ 180 milhões de gastos — R$ 125 milhões com as cinco empresas de ônibus do DF; R$ 45 milhões com a Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF); e R$ 10 milhões com a Sociedade de Transportes Coletivos de Brasília (TCB).

Em 2014, o governo bancava 16,7% das passagens de transporte público no DF com gratuidades. Esse número subiu para 22% em 2015 e para 27,8% neste ano — valor repassado às empresas de ônibus que integram o sistema do DF, à TCB, às cooperativas e ao Metrô. Em outubro e novembro, o porcentual chegou a 33%, enquanto a média nacional é de 15%.

Você pode Gostar de:

Seminário debate políticas para melhorar a segurança pública no País

Conferência de encerramento ocorreu na tarde desta quarta-feira (21) no Instituto Brasileiro de Direito Público, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *