domingo ,27 Maio 2018
Home / Saúde / Zika trata tumor cerebral em cobaias; USP vai começar testes em humanos

Zika trata tumor cerebral em cobaias; USP vai começar testes em humanos

Cânceres que afetam principalmente crianças desapareceram completamente em 9 cobaias injetadas com células humanas pela 1ª vez. A geneticista Mayana Zatz diz que resultados foram tão promissores que pesquisadores se abraçaram em algumas fases da pesquisa.

Vírus da zika trata tumor cerebral em cobaias e USP fará teste em humanos

Vírus da zika trata tumor cerebral em cobaias e USP fará teste em humanos

O zika poderá ser usado como terapia porque as mesmas células que ele gosta de atacar em fetos estão presentes em alguns tumores. Essa premissa deu a largada para uma série de iniciativas para terapias de cânceres cerebrais: uma delas, por exemplo, foi feita na Unicamp com o glioblastoma; a de agora, foi uma iniciativa que reuniu pesquisadores de grupos diferentes da USP e do Instituto Butantan.

A imagem mostra o tumor no cérebro do camundongo. Cada ponto azul é o núcleo de uma célula tumoral. As partes verdes representam o cérebro do animal. Já as manchas vermelhas, são o vírus da zika dentro do tumor (Foto: Núcleo de Divulgação Científica da USP)A imagem mostra o tumor no cérebro do camundongo. Cada ponto azul é o núcleo de uma célula tumoral. As partes verdes representam o cérebro do animal. Já as manchas vermelhas, são o vírus da zika dentro do tumor (Foto: Núcleo de Divulgação Científica da USP)

A imagem mostra o tumor no cérebro do camundongo. Cada ponto azul é o núcleo de uma célula tumoral. As partes verdes representam o cérebro do animal. Já as manchas vermelhas, são o vírus da zika dentro do tumor (Foto: Núcleo de Divulgação Científica da USP)

Nessa iniciativa, pesquisadores trataram, pela 1ª vez em cobaias que receberam células humanas, dois cânceres mais comuns em crianças: o meduloblastoma e o tumor AT/RT (tumor teratóide rabdóide atípico). O meduloblastoma é um tumor cerebral que tem sua origem nas células da medula. Afeta em torno de 25 crianças a cada 1 milhão e atinge mais comumemente crianças entre 4 a 5 anos. Já o AT/RT, é mais comum até os dois anos.

Pontos coloridos mostram o tumor; à esquerda, uma cobaia com tumor sem nenhum tratamento. Progressivamente, nota-se como o tumor vai desaparecendo paulatinamente com as injeções do vírus da zika. Células tumorais foram modificadas para emitirem luz.  (Foto: Núcleo de Divulgação Científica/USP/Kaid et al)

Pontos coloridos mostram o tumor; à esquerda, uma cobaia com tumor sem nenhum tratamento. Progressivamente, nota-se como o tumor vai desaparecendo paulatinamente com as injeções do vírus da zika. Células tumorais foram modificadas para emitirem luz. (Foto: Núcleo de Divulgação Científica/USP/Kaid et al)

Depois dos testes, o zika fez o tumor desaparecer em 9 cobaias e ainda teve efeitos positivos sobre a metástase (quando o câncer se espalha para o restante do organismo). Importante lembrar que os testes feitos no Centro de Pesquisa sobre o Genoma Humano e Células-tronco da Universidade de São Paulo são iniciais, mas promissores.

“Estamos empolgadíssimos. Ficamos tão emocionados que, a cada fase da pesquisa, a gente se abraçava. Vimos que o vilão pode ser um bem-feitor”, lembra a pesquisadora Mayana Zatz.

O estudo foi publicado nesta quinta-feira (26) no prestigiado “Cancer Research”, a publicação científica da American Association for Cancer Research. O trabalho teve como primeira autora a aluna Carolini Kaid, doutoranda da USP e orientanda do pesquisador Keith Okamoto, professor do Departamento de Genética e Biologia Evolutiva da Universidade de São Paulo, que também assina o trabalho.

Carolini fez as cirurgias para a implementação de tumores e injetou o vírus do zika no local. Ela também acompanhou a evolução do tratamento, informa o Núcleo de Divulgação Científica da USP.

A pesquisadora Mayana Zatz, da USP (Foto: Caio Kenji/G1)A pesquisadora Mayana Zatz, da USP (Foto: Caio Kenji/G1)

A pesquisadora Mayana Zatz, da USP (Foto: Caio Kenji/G1)

Detalhes e resultados do estudo

Cientistas descobrem que vírus da Zika pode ser aliado no tratamento contra tumores

Cientistas descobrem que vírus da Zika pode ser aliado no tratamento contra tumores

Para testar o vírus da zika nos tumores, pesquisadores selecionaram camundongos transgênicos sem sistema imunológico. “Isso era importante para que eles não rejeitassem as células humanas”, conta a geneticista. Depois disso, essas cobaias receberam células similares à presente em tumores de meduloblastoma. Por fim, os animais foram injetados com o vírus da zika selvagem, o mesmo que infectou fetos.

“São resultados inéditos. A gente sempre espera que a pesquisa que a gente faz tenha uma aplicação prática. Ver o zika tratando tumores em crianças será um resultado que não terá preço.”

A pesquisa teve um grupo-controle (quando cientistas separam um grupo de cobaias que não vão receber o tratamento). Assim, pesquisadores também viram a evolução do tumor em camundongos sem terapia com zika. O resultado? Eles morreram em duas semanas.

Imagem retirada do estudo mostra a ação do zika sobre células do tumor. As imagens mais à esquerda vão mostrando a ação do zika progressivamente. O vírus vai desorganizando as esferas das células tumorais  (Foto: Kaid et al)Imagem retirada do estudo mostra a ação do zika sobre células do tumor. As imagens mais à esquerda vão mostrando a ação do zika progressivamente. O vírus vai desorganizando as esferas das células tumorais  (Foto: Kaid et al)

Imagem retirada do estudo mostra a ação do zika sobre células do tumor. As imagens mais à esquerda vão mostrando a ação do zika progressivamente. O vírus vai desorganizando as esferas das células tumorais (Foto: Kaid et al)

Os caminhos da pesquisa

Mayana Zatz explica que a pesquisa teve um longo caminho. Antes, em um dos estudos feitos com gêmeos de mãe infectadas com vírus da zika, os cientistas perceberam com mais clareza como o vírus consegue infectar as células que dão origem aos neurônios (chamadas de neuroprogenitoras).

Ainda, para entender melhor a ação do zika, pesquisadores testaram outras linhagens de tumores (próstata, intestino e mama) e perceberam que o vírus não teve a mesma ação. A preferência dele mesmo é para tumores de cérebro; e, como mencionado acima, especialmente para essas células “criadoras de neurônios”. A partir desses achados, os cientistas da USP começaram a pesquisa com o meduloblastama.

“Conversamos com o grupo do Keith Okamoto, que tem interesse em tumores com essas células neuroprogenitoras. Estabelecemos uma parceria e começamos os testes. Sabemos que tumores com essas células são mais agressivos, mais patogênicos. O Okamoto estava interessado nisso”, conta Zatz.

Sobre esses tumores com células mais agressivas, Mayana explicou detalhadamente ao G1 como se dá esse processo:

“Todos nós viemos de uma única célula, que foi se diferenciando em outras. Algumas células interrompem esse processo de diferenciação, mas outras continuam se dividindo loucamente gerando tumores. Esses tumores são mais comuns em crianças, mas há casos de cânceres desse tipo em adultos. Nos adultos, é como se algumas dessas células-tronco ficassem em estado de latência e depois começassem a se diferenciar no câncer”.

Próximos passos e segurança

Os pesquisadores esperam começar a testar a estratégia em humanos nos próximos meses. “Vai demorar um pouco para cultivar o vírus em condições especiais. Temos de ter certeza que não há outros patógenos. Precisamos de laboratórios especiais e pessoas treinadas e isso não é trivial. Vamos contar com a expertise do Instituto Butantan para isso”, diz.

A pesquisadora diz que a estratégia primeiro será feita em um grupo pequeno, de duas a três pessoas. O vírus usado será o selvagem, como o usado em animais. A pesquisadora explica que, graças à epidemia no Brasil, sabe-se que 80% das pessoas infectadas com o vírus da zika não apresentam sintomas; por isso, os testes seriam seguros.

Um outro achado importante da pesquisa é que os cientistas viram que, depois que o vírus zika ataca as células neuroprogenitoras, ele fica mais “sossegado” e não tem o mesmo poder virulento como antes. “Ele perde o seu poder destruidor”, diz.

Esses pontos fazem com que os cientistas tenham alguma segurança de que, ao usarem o vírus da zika para o tratamento, ele não vai deflagrar efeitos ou infecções inesperadas. Apesar dos efeitos mais que promissores, contudo, a pesquisadora pontua que ainda há muito o que ser feito.

“Vamos precisar definir muitos fatores, como a dose ideal para o tratamento ou quantas vezes o zika terá de ser injetado. A gente não sabe isso ainda e vamos descobrir conforme os testes forem avançando”, conclui Mayana.

Você pode Gostar de:

Bebê de três meses é internado após usar protetor solar da Peppa Pig

Uma foto com o resultado da alergia foi compartilhada pela mãe do menino. Especialistas alertam …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *